Plano de Lutas

Plano de lutas triênio 2014/2017 aprovado no XII CONSINTUFSC realizado nos dias 02, 03 e 04 de dezembro de 2014.

Eixo geral
• Fortalecer as lutas pela construção de uma Universidade Pública, Gratuita e de Qualidade para Todos, autônoma na forma da constituição;
• Fortalecer a luta contra o neoliberalismo em suas diversas facetas nos governos municipais, estaduais, federal e nas Universidades;
• Fortalecer a luta contra os ataques ao serviço público, à organização dos trabalhadores e suas entidades e qualquer tentativa de redução de direitos;
• Fortalecer a luta, local e nacionalmente, pela oficialização da jornada de 30 horas semanais para todos os TAEs, sem redução de salário, com a ampliação do atendimento da universidade por no mínimo 12h ininterruptas;
• Empreender discussões sobre o registro de frequência e assiduidade dos trabalhadores técnico-administrativos em educação, considerando as especificidades e peculiaridades do trabalho realizado nas universidades;
• Contra o ponto Eletrônico e outras formas de controle discriminatórias nas Universidades Públicas;
• Manter postura crítica diante de qualquer governo e reitorias, seguindo os princípios da autonomia e independência que devem sempre caracterizar o movimento dos trabalhadores;
• Intensificar a defesa da democracia em todos os fóruns da Universidade, lutando pela paridade na composição dos colegiados;
• Lutar pela institucionalização da eleição, no mínimo paritária, para Reitor e Diretores de Centro;
• Lutar pelo fim de qualquer impedimento para que os TAEs acessem os editais de pesquisa e extensão, assim como participem, proponham e coordenem projetos de pesquisa e extensão na Universidade;
• Lutar contra a EBSERH – Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares e a favor de que o HU seja 100% SUS;
• Fortalecer a luta pelo SUS, totalmente público e gratuito, estatal e com qualidade socialmente referenciada;
• Lutar contra o projeto de Lei 92/2007, que pretende criar a Fundação Estatal de Direito Privado, para gerir os serviços públicos brasileiros, assim como lutar contra as OSs, OSCIPs e parcerias público-privadas, que vem sendo propostas para a gestão do Estado brasileiro;
• Fortalecer a luta contra as privatizações e a terceirização no serviço público;
• Lutar pela revisão do enquadramento dos Trabalhadores da UFSC no PCCTAE (lei 11.091/2005);
• Continuar defendendo o direito de greve como instrumento de lutas e conquistas;
• Lutar pela aprovação da PEC 257/97 que trata da ascensão funcional;
• Lutar por isonomia salarial e de benefícios entre os trabalhadores dos três Poderes;
• Defender a Universidade como instrumento de transformação social;
• Lutar pela anulação da Reforma da Previdência;
• Manter práticas de solidariedade classista e com os diversos movimentos sociais, buscando a unificação dos trabalhadores nas lutas;
• Lutar pela reposição das perdas salariais e demais direitos , contra medidas que precarizem o trabalho na universidade;
• Lutar contra toda forma de opressão e assédio moral e qualquer forma de perseguição política na universidade, consequência das lutas realizadas pela categoria;
• Exigir da administração da universidade e do governo federal a liberação de dirigentes sindicais, bem como liberdade de participação de todos os STAs em atividades sindicais durante a jornada de trabalho, sem reposição de horas ou qualquer tipo de punição;
• Buscar a articulação entre os trabalhadores dos diversos campi e colégios agrícolas com o Sindicato, além de construir uma agenda específica, política e social, de atuação junto a essas bases;
• Defender os aparatos de cultura e arte da universidade como espaços de ensino-pesquisa-extensão abertos a toda comunidade;
• Que qualquer mudança no status de órgão suplementar do museu (MArquE) seja precedido de amplo debate com toda a comunidade universitária;

Eixos Específicos

Formação e Políticas Sindicais

• Retomada das reuniões regulares dos GTs (Educação, Saúde, Segurança e Carreira), com chamada pública para reuniões;
• Constituir um programa de formação sindical dos trabalhadores da UFSC, buscando que a sua carga-horária seja contemplada para progressão funcional;
• Promover encontros/seminários e palestras que visem formar, informar e articular a categoria sobre temáticas emergentes e relevantes, como: aposentadoria e previdência (inicialmente FUNPRESP); assédio moral; democracia na universidade; desvio de função; inserção institucional dos TAEs com curso superior; inserção dos TAEs na pesquisa e extensão.
• Criar o Centro de Memória dos Trabalhadores Técnico-Administrativos em Educação da UFSC;
• Realizar debates sobre o combate ao racismo, homofobia e machismo, com vistas na organização dos Grupos de Trabalho de Combate ao Racismo, LGBT e de Mulheres no SINTUFSC;

Administração e Gestão Financeira

• Ampliar e intensificar a campanha de filiação;
• Continuar administrando os recursos financeiros dos trabalhadores com transparência e responsabilidade;
• Solucionar definitivamente a situação do terreno do Pântano do Sul;
• Políticas de Esporte, Social e Cultural
• Aprimorar os eventos sociais como forma de ampliar da integração e a união dos trabalhadores, dentro e fora da UFSC, contribuindo para a ação sindical;
• Realizar, a exemplo dos festivais de futebol suíço, outras atividades esportivas de interesse dos filiados;
• Continuar realizando confraternizações em datas significativas para a categoria;
• Promover ações visando a integração entre os trabalhadores, de um modo geral, assim como entre os recém-nomeados com os colegas mais antigos;

Política de Comunicação

• Aperfeiçoar a comunicação do sindicato com os filiados utilizando as redes sociais;
• Criar condições para ocupar espaço na TV UFSC;
• Criar uma WebTV do SINTUFSC, através de vídeos postados no Youtube, divulgando ações, eventos e campanhas voltados para a categoria e a comunidade universitária;
• Fortalecer a comunicação sindical e popular de caráter contra-hegemônico; Aposentados e Pensionistas e Assuntos de Previdência
• Lutar para garantir o direito dos aposentados e pensionistas de participarem no processo de eleição para Reitor e Vice–Reitor;
• Lutar Contra o Funpresp e pela garantia de uma previdência pública, estatal e que cumpra seu papel como direito do trabalhador;
• Continuar na luta pelo reposicionamento dos aposentados;
• Lutar pela aprovação da PEC 555;
• Lutar pela manutenção da vinculação da folha de pagamento dos aposentados e pensionistas ao MEC;
• Lutar em defesa da paridade entre aposentados e ativos;

Eu sou a UFSC

elza

Elza de Sousa

Elza de Sousa, 62 anos, é natural de Florianópolis e sempre viveu na ilha. Nascida na casa da mãe em uma época em que as parteiras eram mais atuan + Mais

Vida nova na UFSC

alan

Alan Lopes dos Santos

Alan Lopes dos Santos nasceu em Itajaí mas sempre residiu no município de Governador Celso Ramos. Pelo fato do pai ser trabalhador da pesca Alan mor + Mais
Sintufsc

sintufsc © todos os direitos reservados

Siga-nos:
Agência WEBi